Eu estive aqui de Gayle Forman

Título: Eu estive aqui
Autora: Gayle Forman
Editora: Arqueiro
Ano: 2015
Páginas: 240
Skoob: Adicione.


Sinopse: Eu Estive Aqui - Quando sua melhor amiga, Meg, toma um frasco de veneno sozinha num quarto de motel, Cody fica chocada e arrasada. Ela e Meg compartilhavam tudo... Como podia não ter previsto aquilo, como não percebera nenhum sinal?A pedido dos pais de Meg, Cody viaja a Tacoma, onde a amiga fazia faculdade, para reunir seus pertences. Lá, acaba descobrindo muitas coisas que Meg não havia lhe contado. Conhece seus colegas de quarto, o tipo de pessoa com quem Cody nunca teria esbarrado em sua cidadezinha no fim do mundo. E conhece Ben McCallister, o guitarrista zombeteiro que se envolveu com Meg e tem os próprios segredos.Porém, sua maior descoberta ocorre quando recebe dos pais de Meg o notebook da melhor amiga. Vasculhando o computador, Cody dá de cara com um arquivo criptografado, impossível de abrir. Até que um colega nerd consegue desbloqueá-lo... e de repente tudo o que ela pensou que sabia sobre a morte de Meg é posto em dúvida.Eu estive aqui é Gayle Forman em sua melhor forma, uma história tensa, comovente e redentora que mostra que é possível seguir em frente mesmo diante de uma perda indescritível.


Nunca pensei que poderia gostar e me identificar tanto com esse livro. Encantador, amedrontador e às vezes chegou a ser assustador. Até que ponto a maldade do ser humano pode chegar?

Esta semana tive o prazer de conhecer de pertinho uma das obras da Gayle Forman, essa mulher é poderosa no que faz! Gente, fiquei impressionado com a escrita e a história que ela desenvolveu a partir de uma história verídica. 

O livro é narrado por Cody e nos mostra os seus mais sinceros e profundos sentimentos. Ela não consegue entender o motivo que levou sua melhor amiga a se suicidar de forma tão "épica". Não sei vocês, mas Meg foi "fodana" até o último suspiro. Ela organizou uma lista para fazer algumas coisinhas antes de morrer, comprou veneno, escreveu um e-mail para ser enviado automaticamente para seus pais após uma hora de sua morte, escolheu um motel e por fim deixou um bilhetinho para arrumadeira ligar para policia e com direito a gorjeta. A gorjeta não podia faltar.



Cody se culpa por não ter mantido contato com a amiga após sua ida para faculdade. Elas chegaram a trocar pouquíssimos e-mails, mas mesmo assim o peso na consciência de Cody não aliviava. Até que certo dia os pais de Meg pedem para que ela vá buscar os pertences da amiga para que a faculdade possa liberar o quarto para outro aluno.

"Sinto informar que precisei dar fim à minha própria vida. Estou adiando esta decisão há muito tempo, e ela é minha e de mais ninguém..."
Pensando que seria fácil e não duraria mais que um dia, Cody fica impressionada com a vida que a amiga levava. Os novos amigos que ela fez, as boates que frequentava, os gatos que ela havia adotado e o garoto da banda que havia se relacionado. Ela fica triste por Meg não ter contado isso para ela antes.
"Mas no fim das contas, eu não a conhecia nem um pouco."
Cody não pensa duas vezes em usar o notbook da amiga e tentar encontrar alguma pista que levasse ao motivo que Meg tenha se matado. Decidida a investigar mais fundo, ela começa a ler os e-mails trocados com um tal de Ben, o cara da banda que Meg gostava. Ela começa a pensar que o motivo tenha sido uma desilusão amorosa.

Fotos do meu insta: @armaria_lissandro

Até que ela descobre que Meg havia entrado em um grupo de apoio para quem deseja se suicidar. Isso mesmo que você leu. Pessoas davam conselhos para ela se matar! Caraca, quando li os e-mails eu ficava "Não cai nessa, chuta que é macumba!" mesmo sabendo que Meg já havia feito o ato desesperado.
"Nunca deem para o barman, meninas."
"Por quê?"
"Por que todo mundo já fez isso?"
"Tem isso também."
Enfim, quando disse que me identifiquei um pouco com a história foi me referindo a aquela fase de aceitação. Cody passou um bom tempo olhando as últimas mensagens que havia trocado. Já passei horas fazendo isso quando perdi uma amiga. Sei como Cody se sentia, com aquela sensação de "deveria ter aproveitado mais". O livro fala de temas bastante complicados e que muitos não levam a sério. Meg sofria de depressão e foi o que facilitou deixar-se ser persuadida por outras pessoas a se matar. A obra é bacana, a leitura é rápida e bem emocionante. Sim, você tem que dar uma chance para ele, garanto que não irá se arrepender.
Nota:



15 comentários:

  1. Lissandro, eu já tinha ouvido falar muito dos livros da Gayle Forman, mas nem de longe eu achei que uma resenha sobre um livro pudesse me tocar tanto.
    Eu já me apaixonei pelo livro e estou me roendo de curiosidade.
    Deve ter sido mesmo uma barra.
    Perder uma amiga e pensar em tudo que poderia ter feito de diferente e aproveitado mais.
    Preciso ler esse livro.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainnnnn Lisossomos aqui <3
      Déborah você vai gostar muito do livro

      Excluir
  2. Oie,
    Leio muitas criticas positivas desse livro, e fico cada vez mais curiosa! Quero muito ler para saber mais sobre Meg e sobre o que Cody passa, deve ser bem emocionante.
    Vou ler e espero gostar!
    Beijos
    Cantinho da Bruna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Bruna!
      Obrigado pelo comentário <3

      Excluir
  3. Eu também me apaixonei pelo livro, foi o primeiro que li da autora e comecei bem, concordo com suas palavras! Gayle escreveu uma obra excelente e que pode ajudar muita gente que possa se encontrar nessa situação, inclusive dei uma pesquisada no link do grupo de ajuda aqui no Brasil, simplesmente o trabalho da autora é maravilhoso!

    http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, esqueci da falar que a autora cita o grupo de ajuda daqui do Brasil *---*

      Excluir
  4. Oi, eu curto a temática do livro, mas até o momento, não senti empatia a ponto de comprá-lo; outra coisa que achei muito bom, e vi em outras resenhas, foi a citação do grupo de ajuda, como a Beatriz citou no comentário, em algumas cidades, o número de suicídios é gigantesco, tenho alguns amigos que trabalham com isso...

    ResponderExcluir
  5. oi ^^ poxa todo mundo fala super bem desse livro eu não tenho muita vontade de ler, mas acho que é super válido a temática abordada.
    to pensando em dar uma chance sabe?
    no mais curti sua opinião ^^
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  6. Depois de ler sua resenha, estou cogitando dar uma oportunidade ao livro, a premissa é parecida com vários outros livros, mas mesmo assim tenho curiosidade para saber como a autora desenvolveu a trama.

    ResponderExcluir
  7. Estou muito feliz com a sua resenha dess elivro Paac. Eu já tinha lido outros livros da autora e não gostei nem um pouco, então vi a Arqueiro lançar esse livro e fiquei empolgada só que com receio de não gostar assim como não gostei dos outros. Agora estou mais que pronta para ler esse livro.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Fiquei mais interessado ainda nesse livro! Eu o tenho, mas ainda não o li por causa da #MLI2015 e também porque estou lendo uma outra obra da Gayle, mas assim que eu terminar eu irei começar a lê-lo! Adorei a resenha, está muito bem escrita e desenvolvida!!

    Abraços e até!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi, Lissandro!
    Nossa. Eu quero ler o livro. É bem diferente do que estou acostumada, sabe? Prefiro fantasias épicas. Mas esse aí... Eu simplesmente preciso ler. Gostei demais do enredo e acredito que me identificaria muito com a Cody. Vai ser minha primeira experiência com Gayle, espero não me decepcionar.
    Com carinho,
    Celly.

    http://melivrandoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.