Habibi de Craig Thompson

Título: Habibi
Autor: Craig Thompson
Ilustrador: Craig Thompson
Ano: 2012
Editora: Quadrinhos na Cia
Páginas: 672
Sinopse: Habibi é a saga de dois escravos fugitivos, unidos e separados pelo destino, vivendo no limite que separa a tradição da descoberta. Dodola, uma garota perspicaz e independente, foge de seus captores levando consigo um bebê. Eles crescem juntos no deserto, sozinhos em um navio naufragado na areia. Em meio a sentimentos cada vez mais conflitantes, os dois passam o tempo contando histórias. Assim, somos apresentados também à origem do islamismo e de suas tradições, conforme as narrativas se combinam numa trama de aventura, romance, filosofia e tragédia. Para contar a saga de Dodola e Zam, Craig Thompson recorreu ao Corão e às Mil e uma noites. Do primeiro, colheu o próprio estilo do livro, inspirado na caligrafia árabe, e também as narrativas do texto sagrado dos muçulmanos, recriadas com maestria pela pena do autor. Do segundo, tirou um cenário fantasioso, repleto de lendas e histórias, uma versão quase mitológica da nossa ideia de Oriente. Ambientado nos dias de hoje, Habibi não se passa em nenhum país conhecido. É uma terra igualmente fantástica e concreta, onde questões presentes se misturam a indagações ancestrais. Crítica social, questionamentos ecológicos, paralelos entre religião e amor: tudo encontra seu lugar nesta narrativa tão épica quanto particular. Fruto de sete anos de pesquisas e trabalho, Habibi é um monumento do quadrinho moderno e uma resposta atual a questões que nos perseguem desde sempre. - "Cortante, Habibi é um enorme feito de pesquisa, cuidado e tinta preta, e um lembrete de que todos os 'povos do livro', apesar das diferenças, dividem um mosaico de histórias." Zadie Smith, Harper's Magazine.

   Habibi foi amor à primeira vista, impossível resistir a um quadrinho tão chamativo, curioso e instigante bem na minha frente haha, estava na livraria fuxicando quando o vi tive que abrir e folheando me encantei com os traços, quando tive a chance de receber para ler e resenhar quase surtei, não li nenhuma sinopse, nem resenha em blogs apenas me entreguei a curiosidade…

   Habibi levou 7 anos pra ser escrito; e com todo o conteúdo histórico do Islamismo que é presente a obra é de se esperar uma história muito intuitiva e filosófica. Nela acompanhamos a história de Zam e Dodola, duas crianças se saíram de sua terra para serem escravizados, ambos fugiriam de seus e conseguiram se manter seguros e livres por 6 anos no deserto, até o destino decidir que tudo ficaria ainda mais difícil e doloroso para eles...

   Uma história bem mais complexa do que se espera de um quadrinho, mas que ao que parece é bem comum a escrita do queridíssimo do autor. Zam e Dodola são o retrato de um país regido pelo poder e riqueza mal distribuídos, uma cultura fechada e controlada por crenças favoráveis a uns e desfavoráveis a grande maioria, uma história de amor cheia de idas e vindas, que fazer o leitor se perder em meio a muito sofrimento e tragédias. Um quadrinho com cunho mais adulto que não deixa passar despercebido grandes males da nossa simplória humanidade como a violência e a morte. Mas é em seu cunho religioso e nas misturas de histórias que tudo se torna tão encantador aos olhos e a alma.

    Habibi é uma obra em que temos o prazer de ler uma combinação de histórias, crenças e valores misturados a trechos do corão, transcritos em grafismos e peculiaridades desconhecidas por muitos e que torna a leitura ainda mais bonita e prazerosa. É difícil não escrever de modo filosófico, porque mesmo com a dor e o encanto causado pela obra, é impossível não se apaixonar com uma ficção que é tão real e atípica, cheia de críticas ideológicas, sociais e principalmente religiosas. Descrever Habibi é difícil, porque as emoções que a história desperta são difíceis de transcrever em palavras, e é por esse motivo que indico a obra sem pensar duas vezes.

Nota:








Nenhum comentário:

Postar um comentário

@bardaliterária