Vulgo Grace de Margaret Atwood


Título: Vulgo Grace
Autor: Margaret Atwood
Editora: Rocco
Ano: 496
Páginas: 2014
Skoob: Adicione

Sinopse: Depois de O conto da aia, que deu origem à prestigiada série The handmaid’s tale e alcançou o status de bestseller mais de 30 anos após a publicação original, outro romance de Margaret Atwood vai ganhar as telas, desta vez pela Netflix, e volta às prateleiras com nova capa pela Rocco. Inspirado num caso real, Vulgo Grace conta a trajetória de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ter ajudado a assassinar o patrão e a governanta da casa onde trabalhava, na Toronto do século XIX. Com uma narrativa repleta de sutilezas que revelam um pouco da personalidade e do passado da personagem, estimulando o leitor a formar sua própria opinião sobre ela, Atwood guarda as respostas definitivas para o fim. Afinal, o que teria levado Grace Marks a cometer o crime? Ou será que ela estaria sendo vitima de uma injustiça?



   Ser mulher sempre foi um pouco mais difícil e mais perigoso, ser mulher numa época em que nossa existência mal é notada é ainda pior, mas como é ser uma mulher rotulada de louca e assassina nesse mesmo contexto de quase inexistência?


 Grace Marks é uma mulher de família humilde acusada de ter cometido o assassinato de duas pessoas em parceria com James McDermott, ambos são acusados pelo assassinato de Thomas Kinnear seu patrão, e Nancy Montgomery, a governanta. Sentenciados a morte ambos esperavam pelo enforcamento, mas Grace alegava não ter memórias do que houve e sua sentença foi reduzida apenas a prisão. Mas como uma mulher de tão boa aparência, pode ter cometido tal atrocidade? Talvez seja influência de James? Talvez exista algo físico que a torne assim? As respostas para essas questões é o que motiva o jovem Psiquiatra Dr. Jordan a começar uma série de estudos sobre essa tão instigante mulher.


   Atwood tem um dom lindo de ser critica do modo mais sutil possível, mas também ser um pouco inalcançável em sua escrita. Nessa obra não senti a dificuldade de compreensão que tive em O Conto da Aia, mas ainda apanhei para o seu modo de passar a história. Grace é uma personagem complicada, sabemos muito de sua vida, mas pouco sobre o que há dentro dela, mesmo o livro sendo narrado em primeira pessoa, do ponto de vista da própria Grace, eu senti que não podia compreende-la já que não podia conhece-la. Mas é quase impossível não simpatizar com uma mulher tão lúcida e de vida tão difícil que vai envolvendo o leitor com sua história, e ainda mais impossível não se compadecer dela ao  ler sobre o sistema opressor em que ela foi colocada e as condições sub-humanas que sobrevivia.

  É incrível o quanto a autora consegue entrelaçar as temáticas e o quanto podemos aproveitar da obra, como o clima daquela época é bem colocado e o quanto a sociedade patriarcal e violenta influenciavam de forma tão bruta a vida das mulheres, e Atwood soube colocar tudo isso sem desfazer a realidade da história, sem encher de melodramas para atrair leitores. Uma leitura prazerosa, mas difícil, um desafio para quem – assim como eu, não tem costume com essa forma de escrita.


  Vulgo Grace é uma obra diferente, cheia de referências e críticas acaba sendo uma espécie de ficção informativa, num estilo que me lembra um pouco Vigiar e Punir. Não há respostas concretas para o que Grace foi ou poderia ser, há apenas uma mulher contando sua história e uma autora trazendo-a ao grande público.

Nota:









16 comentários:

  1. Hey, Paac!

    Eu acabei de ler esse livro (literalmente, 2 horas atrás..rsrs) e gostei, mas achei apenas um livro ok. Pensei exatamente como você: achei impossível compreender Grace, já que só sabemos dela o que ela nos deixa saber. Estou vendo a série agora e até simpatizando um pouco mais com a história.
    Logo escreverei minha resenha.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi tudo bem?
    Caraca parece ser um livro e tanto mas confesso que não me chamou tanto a atenção por não ter como saber o que se passa de fato na cabeça da protagonista e eu adoro isso em livros!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá!!!
    Não estou muito acostumada com esse gênero e nem com um conteúdo tão forte, preciso sair da minha zona de conforto.
    A resenha ficou ótima, esse livro tem uma premissa super original!!!
    Bjs

    http://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Pelo feeling da tua resenha (ainda não li o livro) e pela vibe da série (que tô começando a ver), me lembra muito das mulheres acusadas de bruxaria, queimadas vivas sem direito a julgamento, a defesa nem nada. É como se Grace fosse enfim a voz que tava aguardando por falar há tanto tempo e que a Margaret Atwood conseguiu incorporar todo esse discurso. Preciso urgentemente arranjar Vulgo Grace e O Conto da Aia pra ler!

    ResponderExcluir
  5. Olá, ótima resenha! Pela sua e pelas outras que já li, tenho vontade de ler esse livro. Parece interessante essa crítica à realidade que oprime as mulheres presente na obra.

    ResponderExcluir
  6. Não li o livro, mas assisti a série da Netflix e gostei demais da temática. Também tive alguns problemas com a escrita da Margaret Atwood, estou meio empacada com O Conto da Aia, mas mesmo assim, admiro demais toda a crítica que a autora desenvolve.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  7. Ooi! Eu amei O Conto da Aia, assim como a série. Estava em duvida se assistia Vulgo Grace antes de ler o livro e com sua resenha eu fiquei mais em duvida ainda, porque agora eu quero muuuito ler e conhecer essa personagem por ela mesma e não por uma adaptação. Acho que vou adorar essa história e provavelmente estou indo pro caminho de virar fã da Margareth.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem Paac?

    Eu achei essas suas fotos lindas, está de parabéns. Vulgo Grace é um livro que quero ler tem algum tempo, me desperta curiosidade, assim como os livros da Margaret Atwood em geral. Gostei da sua resenha, fico feliz que apesar da dificuldade da leitura você tenha gostado. Dica anotada!
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Essa mulher é uma coisa muito maravilhosa mesmo, viu? Eu ainda não li os livros mas as séries já me destruíram por dentro.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oie
    uau que bom que a leitura te agradou tanto, parece ser muito interessante e diferente do que costumo ler mas as vezes sair da zona de conforto pode nos trazer beneficios e com certeza arriscaria com esse depois de tantos elogios

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. realmente sair da zona de conforto no leva a leituras inesperadas.

      Excluir
  11. Olá,
    Ainda não li nada da autora, e creio que a escrita dela deve ser bem densa mesmo. Não estou muito acostumada a ler o gênero, mas gosto da ideia de Grace ser uma personagem tão complicada, isso deixa as coisas mais interessantes.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  12. Você leu vigiar e Punir? <3 visivelmente é uma obra que é referência para autora, pois encontramos muitos elementos, estou terminando a série e gostando

    ResponderExcluir

@bardaliterária